Victoria-Wales

Dentro da passagem pelo "Trench", encontramos lindos lagos de águas azuis. Foto Margi Moss

Dentro da passagem pelo “Trench”, encontramos lindos lagos de águas azuis. Foto Margi Moss

15 de junho – 25 de junho, 1997

Rota: Canada:- Victoria, Qualicum Beach, Prince George, Watson Lake, Whitehorse, Dawson City. Alaska:- Fairbanks, Nome, Wales

Nossa porta de entrada no Canadá foi Victoria, na ilha de Vancouver. O oficial da alfândega olhou assustado para a desordem dentro do avião e concluiu: “Suponho que quando vocês chegaram aos Estados Unidos com um avião brasileiro, os americanos revistaram tudinho, item por item?” Estava absolutamente certo.

Como já era tarde para começar um longo vôo através das montanhas, resolvemos procurar Ray, um piloto que nos convidou pelo web. Voamos até Qualicum Beach, apenas 40 minutos ao norte, e perguntamos por ele. Ray estava de viagem, mas o amigo dele, Don, já sabia do nosso vôo pelas Américas. Na mesma hora nos convidou para ir à casa dele em Port Alberni. Os canadenses são muito hospitaleiros. Também piloto privado, Don nos deu valiosos conselhos sobre as melhores rotas a seguir pelas montanhas. Sem sistema de de-icing nas asas do Romeo, não estávamos a fim de encarar as chuvas geladas e nebulosidade típicas da costa da Columbia Britânica. Então, optamos por uma rota que acompanha a Alaska Highway, passando pelo interior e chegando a Fairbanks.

No dia seguinte, prosseguimos sob a chuva fina, atravessando o Estreito de Georgia para, ao norte de Vancouver, entrar no vale do rio Cheakamus. Trançando a 9.500 pés entre os picos nevados e os estratos-cúmulos, chegamos ao platô de Fraser e pousamos em Prince George, onde havíamos marcado um encontro com Jack e Linda, outros amigos conquistados através do website. Jack é controlador de vôo e tinha feito um convite por e-mail antes mesmo de nossa saída do Brasil.

Aproveitando o bom tempo antes da chegada de uma frente prevista para o dia seguinte, decolamos de Prince George para seguir um vale estreito chamado The Trench (a trincheira). É um lugar desabitado e selvagem até Watson Lake, 430 milhas náuticas mais ao norte. À direita, os picos das montanhas Rochosas. Abaixo, o Rio Finlay e depois o Kechika serpenteavam entre poças e laguinhos sem fim. Voando a apenas 500 pés acima do solo, sozinhos no vale, curtimos o espetáculo do chamado Great North. Passamos por cima das cabeças de vários alces, majestosos antílopes parados no meio de poças para comer plantas aquáticas. Nem levantaram a cabeça.

Chegamos, emocionados, ao povoado de Watson Lake (l.500 habitantes). Acabáramos de cruzar a latitude 60° Norte! Faltam apenas 7 graus de latitude para alcançar o Círculo Ártico. Já estávamos 4 graus de latitude (240 milhas) mais ao norte do que estivemos ao sul no Cabo Froward (55° 53’ Sul). E vale lembrar que ainda nem chegamos ao extremo oeste, sem falar do extremo norte! Os habitantes de Watson Lake, todos vestidos de camiseta porque era verão, acharam engraçado que a gente estivesse de casaco. Fazia apenas 12° C.

Agora todo vôo que fazemos é deslumbrante. A paisagem, um sem fim de montanhas, vales, rios e lagos. O vôo visual é feito por cima da estrada, a Alaska Highway, construída em 1942 por soldados americanos para suprir as bases no Alaska quando o governo temia uma invasão japonesa. A estrada corta as florestas boreais e é considerada uma extensa pista de pouso de emergência pelos pilotos de monomotor.

Após a descoberta de ouro em Bonanza Creek, em 1897, Klondike virou uma palavra cotidiana em todo o mundo e inspirou uma das mais frenéticas corridas pelo ouro de todos os tempos. Uns 100 mil garimpeiros esperançosos embarcaram no difícil caminho que levava a esse canto perdido do Canadá. Somente 30 mil conseguiram chegar, e nasceu Dawson City.

A extração de ouro do “permafrost” (camada de terra permanentemente congelada), em temperaturas que chegam a até 40° negativos foi extremamente difícil. Um punhado de homens ficou extremamente rico, outro punhado ficou extremamente morto e, durante um breve momento na história, Dawson City foi a maior cidade ao norte de Seattle e ao oeste de Winnipeg! Hoje, a cidade “vive” de ser uma cidade fantasma. Ao perambular pelas ruas cheias de turistas, entre as coloridas casas de madeira restauradas, ao lado de outras abandonadas há anos, é difícil imaginar que já tenha sido uma cidade tão rica e concorrida.

Ao voar no norte do Canadá e no Alasca, é obrigatório levar a bordo comida suficiente para cada pessoa por duas semanas. A região é muito isolada, o tempo, inclemente, e uma equipe de salvamento pode demorar alguns dias. Ouvimos dizer que os bush pilots do Alaska levam um saco de ração de cachorro. Contém bastante proteína e calorias. Fizemos o mesmo.

As pessoas fazem idéia do Alaska como uma terra fria de montanhas nevadas e geleiras. Ficamos surpresos de poder andar de camiseta até altas horas da noite em Fairbanks. A duas horas de carro, no Parque Nacional Denali onde fica Monte McKinley, a montanha mais alta dos Estados Unidos (6.195 metros), vimos ursos, lobos e alces.

Visando sempre ao extremo oeste do continente, voamos 450 milhas náuticas (sempre com vento de proa de 15-20 nós) sobre paisagens de taiga e tundra (florestas e pântanos) onde não havia qualquer sinal da mão destrutiva do homem, com exceção de umas aldeias indígenas espalhadas pelas margens do rio Yukon. Chegando ao Mar de Bering, pousamos em Nome, cidade famosa pela Iditarod, a corrida anual de trenós de cachorro.

No dia seguinte, aproveitando uma zona de pressão alta que cobria a região, voamos mais 100 milhas até Wales. Antes de pousar, continuamos o vôo, atravessando uma parte do Estreito de Bering até chegar às ilhas Diomede, separadas por apenas 3 quilômetros de mar. Diomede Pequena pertence aos EUA, Diomede Grande, à Rússia. Hoje, com o fim da Guerra Fria, as comunidades de esquimós que sempre habitaram a região conseguem buscam os parentes perdidos do outro lado da cortina de ferro.

Safari Air Empreendimentos Ltda © Todos os Direitos Reservados - (61) 3248-6427