Guayaquil-Cartagena

Plaza de la Aduana e a Igreja San Pedro Claver, no centro da Cartagena antiga. Foto Margi Moss.

Plaza de la Aduana e a Igreja San Pedro Claver, no centro da Cartagena antiga. Foto Margi Moss.

14 de fevereiro – 27 de fevereiro, 1997

Rota: Equador:- Guayaquil, Quito. Colômbia:- Cali, Cartagena

Finalmente, deixamos para trás os desertos peruanos. Debaixo das asas, surgiram florestas tropicais e manguezais que, perto de Guayaquil, transformam-se em quebra-cabeças geométricos de campos inundados para criação de camarões. Numa praça principal de Guayaquil (cidade muito quente e úmida), dúzias de iguanas pré-históricas passeiam em liberdade total. Após atravessar a planície costeira, coberta de bananeiras, e passar pela cidade mais feia do mundo (sem exagero! Ironicamente se chama El Triunfo), a estrada sobe em ziguezague pela serra verde até Cuenca, cidade colonial bem preservada que curte um ritmo de vida apropriado a sua altitude de 2.530 metros. O movimento das ruas fica enriquecido pelas cores das roupas tradicionais dos indígenas e seus famosos chapéus-panamá (que são de origem equatoriana e exportados para o Panamá).

Estávamos apreensivos sobre o vôo até Quito, agachado lá no alto dos Andes, a 2.800 metros, num vale fechado por picos, dos quais os menores já alcançam 4.500 metros. Com muito esforço por parte do Romeo, chegamos a 13.000 pés (3.950 metros) de altitude e, sobrevoando as nuvens intermináveis, rezamos para encontrar um vale pelo qual poderíamos penetrar a cordilheira. Aliviados, passamos por uma brecha entre duas montanhas e chegamos ao largo vale onde ficava Quito, em pleno sol. A cidade, declarada Patrimônio Cultural pela UNESCO, cuida do centro histórico de prédios coloniais e da profusão de igrejas espalhadas pelas ruelas de paralelepípedos.

Se estávamos preocupados com o pouso em Quito, era porque nem tínhamos chegado a pensar na decolagem. A 9.300 pés (2.800 metros), já seria difícil em condições perfeitas. Mas atrasados pela burocracia, não conseguimos decolar até o final da manhã, quando a temperatura já chegava a 20 graus. Romeo não queria ir a lugar nenhum, muito menos subir no ar rarefeito. Usamos a pista toda e passamos maus momentos porque mesmo em atitude de subida com potência máxima, as correntes descendentes nos empurravam sobre os telhados das casas abaixo. Era difícil ficar no ar — ainda mais, ganhar altitude. Levamos um bom tempo subindo em círculos como um condor andino, para alcançar os 13.000 pés necessários para sair do vale.

Atravessamos a Linha do Equador, e nossas coordenadas de latitude viraram Norte. Após quatro horas de vôo acima de uma camada ininterrupta de nuvens, entramos no verde Vale do Rio Cauca (entre dois braços da Cordilheira dos Andes) e, apreensivos, fizemos a aproximação a Cali. As autoridades colombianas foram prestativas e os trâmites foram fáceis. Fomos recebidos pelo carismático Sr. José Guilherme Pardo, presidente do elegante Aeroclub del Pacífico, onde Romeo ficou amparado num hangar. Durante os seis dias que passamos neste belo país, os colombianos foram calorosos e simpaticíssimos.

Ao norte de Cali, durante mais de uma hora fizemos um vôo a 500 pés sobre as florestas inundadas e pântanos do Rio Atrato. Era pura selva! Finalmente deixamos para trás o Pacífico e aproamos a Cartagena, na costa caribenha da Colômbia.

Ao pousar e abrir a porta, a cabine foi inundada pela brisa quente e salgada do Caribe. Cartagena é uma cidade extremamente bela e bem preservada. Nas ruas estreitas (que mudam de nome a cada esquina), o cenário do Mundo Velho mistura-se com toques colombianos e caribenhos. Antigos balcões de madeira derramam ramos de flores pelas ruas movimentadas de casas coloridas. A história (batalhas, piratas, ouro, tesouro, comércio de escravos, legendas e fantasmas) goteja em cada esquina. Por exemplo, em 1741, após um cerco de 56 dias, Blas de Lezo (que era perneta, maneta e ainda por cima caolha!) defendeu a fortaleza de San Felipe e salvou a cidade do almirante inglês Vernon e suas tropas que, de tão confiantes, já haviam mandado notícias para Inglaterra sobre a própria vitória.

Vá lá ver Cartagena você mesmo! No entanto, lembre-se de uma coisa: na saída do país, esteja preparado para receber a visita de um cão farejador.

Safari Air Empreendimentos Ltda © Todos os Direitos Reservados - (61) 3248-6427